top of page

A nutrição diminui o risco de depressão pós parto?



A depressão pós-parto (DPP) é o transtorno de humor mais prevalente associado ao parto, que pode afetar mulheres, crianças, homens e todo núcleo familiar. Nenhuma causa única de DPP foi identificada, porém, deficiências nutricionais causadas ou intensificadas pelas altas necessidades nutricionais na gestação, podem influenciar no surgimento ou agravamento de sintomas depressivos.


A coexistência de deficiências nutricionais que são comuns durante a gravidez e um ano após o parto com o número de casos de depressão materna atingindo muitas mulheres nesse mesmo período, fez pesquisadores investigarem mais a fundo a ligação da nutrição com a DPP, já que certos nutrientes possuem ação na função de neurotransmissores.


A relação entre dieta e depressão pós parto é incerta, entretanto três intervenções nutricionais têm sido estudadas como estratégias de prevenção e tratamento da DPP, são elas: ácidos graxos ômega-3, vitamina D e alimentação.


Sobre o ômega 3, estudos científicos sugerem que a suplementação com esse ácido graxo durante a gravidez e o pós parto reduz alguns sintomas associados à depressão.


Em mulheres com risco de depressão, níveis baixos de vitamina D no início da gravidez estão associados a maiores escores de sintomas depressivos no início e no final da gravidez. Para todas as pessoas, mas principalmente para as gestantes, é recomendado manter níveis séricos adequados de vitamina D durante todo pré natal e período pós parto.


Os estudos trazem uma associação entre má nutrição e depressão materna. A insegurança alimentar e nutricional, isto é, não ter acesso a alimentos em quantidade e qualidade adequada é um fator de risco importante para DPP.


Anemia e violência por parceiro íntimo, também foram fatores associados aos sintomas depressivos. Por outro lado, a segurança alimentar, um bom apoio social de amigos, familiares e cônjuge reduzem o risco de sintomas depressivos pré-natais.


Os estudos recomendam intervenções dietéticas e políticas de segurança alimentar e nutricional como formas custo-efetivas de reduzir deficiências e melhorar problemas de saúde mental para gestantes e puérperas.


Além disso, é recomendado que profissionais da saúde estejam atentos aos sinais e sintomas de depressão pós parto, devendo integrar a relação da depressão materna com a ingestão alimentar e possíveis deficiências nutricionais.


Os estudos indicaram que deficiências de folato, vitamina B12, cálcio, ferro, selênio, zinco e ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs) estão associadas à depressão, sendo importante avaliar tais nutrientes por análise de exames, investigação clínica e dietética por nutricionista.


Portanto, apesar da depressão pós parto ter causa multifatorial, dieta e suplementação (caso necessário), configuram a nutrição como um fator de risco modificável na prevenção e tratamento de DPP. Programas de apoio para reduzir o sofrimento materno e políticas voltadas para a redução da insegurança alimentar domiciliar, anemia materna e violência por parceiro íntimo durante a gravidez podem ajudar a reduzir a depressão.


Nutricionista Valkiria Assis

CRN-3 71936/P


Referências

Hsu MC, Tung CY, Chen HE. Omega-3 polyunsaturated fatty acid supplementation in prevention and treatment of maternal depression: Putative mechanism and recommendation. J Affect Disord. 2018 Oct 1;238:47-61. doi: 10.1016/j.jad.2018.05.018.Epub 2018 May 16. PMID: 29860183.


Sparling TM, Henschke N, Nesbitt RC, Gabrysch S. The role of diet and nutritional supplementation in perinatal depression: a systematic review. Matern Child Nutr. 2017 Jan;13(1):10.1111/mcn.12235. doi: 10.1111/mcn.12235. Epub 2016 Feb 3. PMID: 26840379; PMCID: PMC6865932.


Madeghe BA, Kogi-Makau W, Ngala S, Kumar M. Nutritional Factors Associated With Maternal Depression Among Pregnant Women in Urban Low-Income Settlements in Nairobi, Kenya. Food Nutr Bull. 2021 Sep;42(3):334-346. doi: 10.1177/03795721211025123. Epub 2021 Jul 5. PMID: 34219489.


Williams JA, Romero VC, Clinton CM, Vazquez DM, Marcus SM, Chilimigras JL, Hamilton SE, Allbaugh LJ, Vahratian AM, Schrader RM, Mozurkewich EL. Vitamin D levels and perinatal depressive symptoms in women at risk: a secondary analysis of the mothers, omega-3, and mental health study. BMC Pregnancy Childbirth. 2016 Aug 3;16(1):203. doi: 10.1186/s12884-016-0988-7. PMID: 27485050; PMCID: PMC4971719.


Woldetensay YK, Belachew T, Biesalski HK, Ghosh S, Lacruz ME, Scherbaum V, Kantelhardt EJ. The role of nutrition, intimate partner violence and social support in prenatal depressive symptoms in rural Ethiopia: community based birth cohort study. BMC Pregnancy Childbirth. 2018 Sep 15;18(1):374. doi:

10.1186/s12884-018-2009-5. PMID: 30219050; PMCID: PMC6139168.


58 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page